sábado, 7 de agosto de 2010

Discurso de formatura CSTST - turma de 2010-01

Ilustríssimo Professor Célio Valença Fazendeiro, representante do Magnífico Reitor da UNIPAC, professor Bonifácio Andrada, ilustríssima Diretora Acadêmica, professora Valéria Regina de Carvalho e Fagundes, demais membros da mesa de honra, professores, familiares, amigos, convidados e caros colegas, Boa Noite!

Queridos afilhados (antes que vocês me perguntem, este material já está no meu blog, viu?)

Hoje se faz o último ato de vocês como acadêmicos de Tecnologia em Segurança no Trabalho. Depois de hoje, vocês de fato e de direito serão o que almejaram desde que passaram no vestibular: profissionais de saúde e segurança.

Como padrinho de vocês, gostaria de proferir algumas palavras que são uma espécie de balanço, e por que não, dar alguns conselhos à turma.

Comparo esta trajetória de vocês – passada, atual e futura – ao ciclo de vida de uma árvore, fazendo menção às hoje distantes aulas de biologia.

A semente representa o próprio concurso vestibular: o início de tudo. Nesta fase, a alegria de ter ingressado em uma universidade divide tempo e espaço com uma série de sentimentos e dúvidas, aliás tão comuns aos jovens como nós:

“O que é um tecnólogo?”

“Qual e como é sua atuação?”

“Qual é o meu mercado de trabalho, onde posso atuar?”

“O tempo e o dinheiro que irei investir durante os próximos e longos 2,5 anos valerão a pena?”

São dúvidas próprias de jovens como vocês que buscam afirmação.

Depois de lançada a semente, vem a próxima fase: sou um acadêmico! E faço a analogia desta fase com a muda: ainda incipientes, e porque não dizer, frágeis e imaturas criaturas. Nesta fase, que é a que foi vivida por todos vocês durante o curso, as dúvidas são outras – só que desta feita, todas são acompanhadas de respostas, que nem sempre agradam a gregos e troianos:

“Aula de cálculo? Pra que eu vou precisar disto?“

“Química, física, biologia? Que raio de curso de tecnologia é este?”

“Desenho? Pra que, se eu não vou ser engenheiro?”

“Mas a calculadora que eu tenho é a do celular, não faz conta de logaritmo...”

Ou ainda:

“Aula até 23h20? Mas eu sou lá de Pirapora (ou F. Sá, ou outra cidade da região)”

“Professor, vê meu lado aí, eu não consegui acessar o portal...”

“Eu tenho este tanto de falta? Não pode, você tem certeza?”

“Professor, eu estou presente, só vou entregar/pegar um livro na biblioteca, viu?”

Toda, mas toda turma tem exatamente o mesmo discurso, sem tirar nem por... Impressionante, não? Mas eu entendo...

Assim como a muda, vocês cresceram nesta fase, foram adquirindo ao longo do tempo as competências necessárias para um bom profissional de saúde e segurança: adquirindo conhecimento através das aulas, aprendendo a habilidade para aplicar o que era ensinado, e moldando a atitude para usar tanto o conhecimento quanto a habilidade para atingir o objetivo do trabalho de cada um de nós, profissionais da área: garantir a integridade física, mental e psicológica dos trabalhadores, estes que em nosso Brasil são tão carentes e necessitados de profissionais engajados, bem preparados e com muita força de vontade de realmente fazer acontecer.

Nesta fase, foram feitos também os primeiros contatos com o mercado de trabalho no qual a partir de hoje vocês efetivamente estarão inseridos: vocês se lembram dum tal trabalho de ruído de um certo professor de vocês? Lembram-se das primeiras visitas que vocês fizeram às empresas, quanto campo de trabalho vocês identificaram? Recordam-se ainda de qual foi a reação de vocês, quando vocês entenderam que existem muitas empresas e trabalhadores que clamam por um ambiente de trabalho digno, e muitas vezes até por desconhecimento, não o tem? E quem senão vocês estão capacitados para fazer tal serviço? Vocês entendem que vocês podem e devem ser agentes de mudança, e mudança para melhor? Só depende de vocês.

Toda muda, para crescer, precisa de três elementos básicos: da luz do sol, de nutrientes e de um solo favorável.

· Deus é a luz que ilumina nossos caminhos, sempre presente e acima de todos nós.

· Os nutrientes são os professores de vocês, que qual como a muda, fizeram e fazem vocês crescer, constantemente ensinando-os, estimulando-os, desafiando-os, e também aprendendo com vocês (por exemplo, aprendi outro significado para TPM: “Tô Pra Matar”).

· E sua família e amigos representam o solo fértil, que é a base sólida que vocês e todos nós aqui presentes precisamos para crescer.

Bom, esta foi a trajetória de vocês até agora. A partir do dia de hoje, o que no começo de 2008 eram 23 mudinhas cresceram e se transformaram em 23 pequenas árvores, que se não são plenas de conhecimento e experiência, são repletas de muita garra e força de vontade. Cada um de vocês é um vencedor, com “V” maiúsculo. Mas como eu citei, vocês ainda são pequenas árvores, mas com muito potencial para crescer. Agora, cabe a cada um de vocês escrever a história que não está escrita, moldar seu próprio perfil profissional, traçar a própria trajetória.

Mas ainda assim, persistem algumas dúvidas:

“Será que eu vou arranjar um emprego na área?”

“Vou fazer concurso público?”

“Preciso fazer pós?”

“Vou ter que fazer um curso técnico?”

Em tempo: não se acanhem em ter dúvidas. Devo lembrar a vocês que não foram as respostas que moveram o mundo, mas sim as perguntas. Nunca, mas nunca mesmo, percam a curiosidade, a inquietude e até o inconformismo, tão característicos desta turma em especial: é isto que vai impulsionar o crescimento de vocês. Nunca cessem sua sede de conhecimento.

Falemos agora então do futuro. Alguns de vocês irão trabalhar efetivamente como profissionais de saúde e segurança, e se tornarão bons nisto; outros literalmente irão guardar o diploma na gaveta – isto não importa. Mas lembrem-se: nunca, seja qual for sua escolha, permitam que alguém os faça desistir dos seus sonhos, sejam eles quais forem. São eles que irão alimentá-los para que vocês cresçam e se transformem, de pequenas árvores, em árvores frondosas, árvores que darão frutos, frutos estes que são tão somente os resultados do seu trabalho. Lutem com paixão e com todas as suas forças para que estes sejam bons frutos, que lhes tragam reconhecimento e principalmente, a certeza e a satisfação de dever cumprido, e sejam frutos que gerem outras sementes, por que não? Aconteceu comigo, pode acontecer com vocês, e de fato já aconteceu com alguns professores de vocês, que são egressos da Unipac.

Por fim, queria agradecer a todos vocês, meus queridos afilhados, e agora, colegas profissionais de saúde e segurança, por terem me proporcionado a honra e a satisfação de ter sido escolhido para ser o paraninfo desta turma. Isso me traz, além de óbvia satisfação pessoal e do reconhecimento de ter contribuído de forma positiva para a formação de vocês, não só como profissionais, mas principalmente como cidadãos, ao mesmo tempo me delega a responsabilidade de estar entregando à comunidade pessoas críticas, éticas e com visão de responsabilidade social – afinal de contas, cuidar da saúde e da segurança das pessoas nada mais é do que ser social e legitimamente engajado com o bem estar da sociedade na qual todos estamos inseridos.

Parabéns pela conquista e novamente obrigado por me deixar fazer parte dela. Boa noite.

Um comentário:

dri disse...

Gostei muito desse discurso, você é um Padrinho nota 10!